Menu fechado

A energia que apagou a cidadania

O Ceará deu um enorme tiro no próprio pé da sua economia e nas suas chances de ampliar o grau de cidadania do seu povo. A histórica e e aguda falta de planejamento das vocações econômicas do nosso Estado, a qual pautou o improviso na definição das políticas públicas indutoras de investimentos privados, só conseguiu produzir, até agora, um dos Estados com a população mais pobre da federação e com indicadores sociais de fazer corar qualquer cearense informado e isento.

O modelo de desenvolvimento econômico do Estado esteve muito mais influenciado pelos modelos mentais vigentes naqueles que definiam as dinâmicas governantes que em estudos mais aprofundados, análises de viabilidade e exame dos efetivos impactos-benefícios sociais. Os “planejadores” negligenciaram o ordenamento dessas vocações e terminaram por sentenciar parcela expressiva da nossa população a uma inocente indigência econômica.

Talvez a maior barbeiragem do Ceará foi deixar rolar o desordenamento econômico e ecológico dos seus 573 quilômetros de costa, em cujos municípios vive quase a metade da sua população, considerando a RMF. Uma ambientalmente sadia vocação econômica que é a Geração de Energia terminou por melar outra infinitamente mais benéfica e inclusiva, que é o Turismo. Esse paliteiro de aerogeradores situados nas nossas praias são invocados por alguns dinossauros, que ainda assombram o presente, como um feito relevante a explicitar a pujança e vanguardismo do Ceará. Quanta bobagem e falta de visão!

Cada Torre eólica dessas nas praias é uma sentença de pobreza eterna para as comunidades locais, muitas das quais compostas de artesanais pescadores que sofrem para retirar do mar o sustento dos seus. Esses homens, que estão em extinção, possuem as menores taxas de expectativas de vida dentre as demais atividades econômicas.

No Turismo, cada quarto de hotel gera um emprego direto e 1,5 indiretos e movimenta a mais extensa cadeia produtiva que é a do mundo das viagens. Já esses parques eólicos geram dois ou três subempregos de gente que vai arrancar o mato do pé das torres e vigiar o terreno. Nem tributos municipais e Estaduais geram. Quantos Resorts, nestes últimos anos, evitaram o litoral cearense cuja beleza plástica foi golpeada por esses monstrengos que deveriam estar no topo dos Maciços interioranos?

Como não bastasse o estrago social já em fase de irreversibilidade, super dinossauros governamentais objetivam agora autorizar a instalação de parques eólicos offshore em algum lugar do mar do Ceará, mais uma vez sob o falso manto do arrojo tecnológico e do risível e inócuo mantra de que o Ceará será exportador de energia “limpa” para o resto do Brasil. Exportará energia e importará mais pobreza ainda. Óbvio, esses Dinos não são tolos e sabem exatamente que estão puxando o gatilho da continuidade da pobreza extrema dos ingênuos cidadãos Cearenses. O foco deles nunca foi geração de equidade social mas sim geração de riqueza setorial.

Como cantou Ney Matogrosso, “os ventos do Norte não movem moinhos…e o que nos resta é só o gemido”….

Allan Aguiar

Reproduzido do Blog Os Cearenses

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.