Menu fechado

Associação culpa falta de centralização e STF por crise de oxigênio

Em documento enviado à CPI da Pandemia, Abiquim argumenta que descentralização do enfrentamento e liminares concedidas aos estados colapsaram “cenário já deficiente

Em documento encaminhado à CPI da Pandemia, a Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim) atribuiu a crise de oxigênio que o país viveu à descentralização do enfrentamento ao coronavírus. Atribuiu a culpa pela crise à atuação individual dos estados, ratificada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e por liminares concedidas aos estados. De acordo com a Abiquim, a crise revelou ainda “a nítida limitação e ineficiência logística resultante da longeva ausência de investimentos suficientes na infraestrutura de transporte no país”.

“A descentralização compulsória do combate da pandemia ratificada pelo Supremo Tribunal Federal para Estados e Municípios, conferindo-lhes liberdade de atuação na gestão estratégica colapsou um cenário já deficiente, comprometendo estoques de oxigênio medicinal face ao aumento abrupto de demandas, assim como o de dezenas de liminares emitidas por Tribunais Federais e Estaduais contra as empresas produtoras de Oxigênio Medicinal, colocando-as em verdadeira situação de insegurança jurídica”, respondeu a associação à CPI.

O documento chegou à comissão nesta terça-feira (18), em resposta ao requerimento apresentado pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). Ele pediu todas as comunicações das empresas produtoras e fornecedoras de oxigênio com o Ministério da Saúde.

Fonte: MyNews

CÁ PRA NÓS: Vão já ser chamados de mentirosos!

1 Comentário

  1. Almir Rodrigues de Araujo

    Claro que ao invés do Governo Federal, o principal responsável pelos problemas de falta de oxigênio e outros materiais relacionados ao combate ao corona
    virus foi o STF. Todos devem lembrar que esse Superior Tribunal delegou aos Governadores e prefeitos, a gestão de combate a pandemia e idiotas procuram influenciar a opinião pública contra o Governo Bolsonaro. Coisa de canalha.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.