Menu fechado

Witzel: Franco atirador, mira em Bolsonaro, chama MP de “irresponsável” e senador de “leviano”

A sessão que transcorre hoje, quarta-feira, 16, na CPI do covid, com o depoente ex-governador Wilson Witzel, que foi amparado por habeas-corpus, podendo ficar calado e faltar com a verdade, foi o cenário perfeito para um franco atirador.

Witzel, cassado através de impeachment, por votação unânime pela Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro e respondendo há quatro processos criminais se mostrou a vontade. Se dizendo inocente e perseguido politicamente e pelo Ministério Público o qual denominou de “irresponsável “, passou rapidamente a atacar o governo Bolsonaro, impulsionado logo no início por indagações do relator Renan Calheiros, que inclusive, saiu do tema central e mirou claramente no presidente Bolsonaro e no filho Flávio Bolsonaro.

Ao ser indagado acerca se “roubar dinheiro” público, “com dolo” contribui para a morte de pessoas, Witzel saiu pela tangente, dizendo que o que causa é o negacionista, mas não respondeu a pergunta do senador Jorginho Melo (PL-SC). Quando o parlamentar disse que o depoente havia maculado a magistratura, Witzel o chamou de “leviano”. Jorginho retrucou ratificando o que tinha dito e o chamou de picareta.

Em outro momento, o ex-governador insinua que foi perseguido pelo governo federal porque teria determinado a apuração da morte da vereadora Marielle Franco (que precisa ser elucidada completamente), esquecendo ele que bateu uma foto ao lado de um deputado com a placa já quebrada em homenagem a vereadora assassinada.

Agora 14hs20min, após despejar uma série de acusações sem mostrar provas e no momento que senadores governistas começaram indagações acerca da corrupção no Rio de Janeiro, a “vítima” segundo ele mesmo, disse que ia se retirar, amparado no habeas-corpus. Tudo com certeza, seguindo um roteiro previamente planejado. Resta saber se houve “cúmplices” no planejamento.

CÁ PRA NÓS: Mais um papelão dessa CPI que diante da parcialidade permitiu um investigado e cassado desacatar um senador sério, tachando-o de leviano. O presidente Aziz tão desenvolto em sua interrupções , e contundente contra Nise Yamaguchi e sua assessora, não deu um pio.

Redação smp.news

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.