Menu fechado

China caminha no espaço, na terra um regime ditatorial brutal

Enquanto a China celebrava o sucesso de sua primeira caminhada espacial fora da nova estação espacial de Tiangong no domingo (4), a principal empresa aeroespacial do país estava chamando a atenção online por um motivo muito diferente.

A estatal China Aerospace Science and Technology Corporation (CASC) enfrentou uma reação adversa depois que surgiram notícias de que um oficial do Partido Comunista em sua subsidiária teria supostamente espancado dois renomados cientistas espaciais – incluindo uma mulher de 85 anos.

O alegado ataque brutal, ocorrido no início de junho, foi trazido à atenção do público no sábado (3) por uma reportagem da revista estatal China News Weekly. Os líderes chineses têm enfatizado repetidamente a importância da inovação científica e tecnológica, vendo-a como um “campo de batalha principal” para a competição com o Ocidente. O próprio presidente chinês, Xi Jinping, saudou os principais cientistas do país como “o tesouro nacional, o orgulho do povo e a glória da nação”.

Mas o fato chocante de que cientistas chineses ainda podem ser supostamente pisoteados – neste caso, aparentemente literalmente – por um funcionário inescrupuloso do Partido Comunista que aparentemente ficou impune por semanas gerou uma mistura de raiva, decepção e vergonha.

De acordo com a reportagem da mídia estatal, Zhang Tao, o secretário do partido e presidente da China Aerospace Investment Holdings, um braço de investimentos do CASC, atacou os dois cientistas depois que eles recusaram seu pedido de recomendação para ser membro da Academia Internacional de Astronáutica, organização não governamental com base em Estocolmo, capital sueca.

Wu Meirong, 85, sofreu uma fratura na coluna, enquanto Wang Jinnian, de 55 anos, teve várias costelas quebradas e lesões em tecidos moles por todo o corpo. Ambos permaneceram no hospital um mês após o ataque, enquanto Zhang estava “indo para o trabalho normalmente”, de acordo com o relatório.

Nas redes sociais chinesas, muitos questionaram por que o incidente foi ocultado do público por semanas e por que Zhang parecia ter enfrentado poucas consequências por sua suposta birra violenta.

No Weibo, a versão do Twitter fortemente censurada da China, os usuários inundaram a conta oficial do CASC com comentários furiosos exigindo respostas para o suposto ataque. Uma hashtag relacionada obteve mais de 130 milhões de visualizações.

Em meio à crescente pressão, o CASC finalmente emitiu um breve comunicado no final da tarde de domingo, reconhecendo que Zhang havia conduzido a surra “depois de consumir álcool” e anunciando sua suspensão. Não disse o que levou ao suposto ataque nem ofereceu outros detalhes, apenas que a empresa enviou uma equipe para investigar o incidente e prometeu “lidar com isso com seriedade com base nos resultados

CÁ PRA NÓS: Lula recentemente em site chinês Guancha derramou elogios ao Partido Comunista chinês, “tem força e poder para fazer com que a população cumpra suas decisões”. A declaração de Lula foi dada num contexto em que ele parabenizava as medidas de combate à pandemia do coronavírus na China.

1 Comentário

  1. Antônio Pedro

    O povo brasileiro não merece ser escravo desses comunistas, esse regime nunca será implantado em nosso país, Jesus Cristo é nosso livramento, com junto de nós e todos nós com Deus no coração ❤️, nunca seremos comunistas, igualidade pela miséria nunca seremos, lutamos até hoje pela independência financeira, liberdade de pensamento, honrar a pátria, valorizar a família, Brasil acima de tudo e Deus acima de todos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.