Menu fechado

Aziz suspende reunião da CPI irritado com silêncio de depoente e sentencia: “quem decide sou eu”

O presidente da CPI da Covid, Omar Aziz (PSD-AM), suspendeu a reunião desta terça-feira (13) após ameaçar prender a diretora da Precisa Medicamentos, Emanuela Medrades, por desobediência. Aziz anunciou que vai entrar com um embargo declaratório no Supremo Tribunal Federal (STF) para esclarecer o alcance do habeas corpus que garantiu à depoente o direito de não responder à comissão para não se autocriminar. O senador se irritou quando Emanuela se recusou a dizer ao relator, Renan Calheiros (MDB-AL), qual era o seu vínculo com a Precisa Medicamentos.

Iremos suspender a reunião, chamarei os advogados, entrarei com embargo de declaração contra o ministro neste momento. Quem decide sou eu. Vou fazer um embate baseado nessa resposta para que o presidente Luiz Fux possa dizer os limites [do habeas corpus]. Não vou perder meu tempo com uma depoente que não quer dizer nem qual seu vínculo com a empresa”, afirmou Aziz. “Vamos suspender e todos nós ficaremos aqui e vamos aguardar a manifestação”, acrescentou.

CÁ PRA NÓS: CPI colhendo frutos de investigação amadora e parcial ao decretar quebra de sigilo indiscriminadamente, transformou todos em investigados.

10 Comentários

  1. Antônio Sales Peixe

    Luciano, isso faz parte de uma engrenagem muito complicada! Na minha visão só vejo uma maneira, aplicação do artigo 142 pelo Presidente da República, com dissolução do STF e Congresso e a prisão dos corruptos!

    • Nadia Vieira

      Suspeita de corrupção de uma compra que não foi realizada , né ? Com tantas obras no país seria mais fácil ter corrupção por lá ao invés de numa coisa q está tão em evidência. Depois de 30 anos sem se misturar com essa laia de corruptos, Bolsonaro ia fazer isso agora , qdo até um pum dele é investigado ? Precisamos ser mais inteligentes , né ? A CPI do CIRCO é para carimbar no JB uma marca de corrupto que é deles… Querem dizer que todos são iguais, mas os iguais se protegem mutuamente. Se querem tanto detonar JB é pq ele NAO É UM IGUAL. A CPI só engana quem quer ser enganado mesmo ..

  2. Antônio Pascasio Círico

    Se um ladrão é pego tentando invadir sua casa, mas não consegue, ele passa a ser inocente????
    Essa é a impressão das argumentações da defesa de Bolsonaro no caso do escândalo da Covaxin. Não deu certo o roubo, não temos culpa. Simples assim!
    Temos que apurar toda verdade. Nós queremos um Brasil justo. Pedir a Deus uma providência divina. Que venha todas verdades. É minha opinião como cidadão preocupado com a miséria que está crescendo.
    Acredito num Brasil melhor, porque o povo desta linda nação na maioria humilde, acolhedor e simpático.

    • Francisco Claudio B.Botelho

      Ô cara, o que você acha do presidente e do relator desss CPI, eles lhe representam? Você já percebeu a diferença de tratamento que recebrm os depoentes, dependendo do que dizem? Que é isso, cara! Pense no país, esqueça, por um momento, seus interesses particulares; pense na coletividade; compare a roubalheira astronômica do PT com essas picuínhas que são assacadas contra Bolsonaro…

  3. Evandro Moraes

    Como um esquerdista deseja um Brasil justo se ele defende o sistema mais corrupto do mundo?
    Eate argumento nao tem fundamento quando se conhece sobre comunismo, a ideia da CPI é desgastar o governo, nao tem corrupção, ja ta mais do que comprovado nas os corruptos querem dar uma razão a qualquer custo.

    Meu Deus, quanto ignorância de quem ainda os apoia.

    Os eleitores socialistas nao sabem o que é socialismo/comunismo, coitados!

  4. Antônio Pascasio Círico

    Tenho 66 anos. Sou livre de bons costumes, estudioso, nunca tive um processo.
    Sempre votei na pessoa sem ideologia política.
    Vejo é intolerância nunca visto na história.
    PT X PSDB, foram rivais, mas nem comparar com o momento atual.
    Respeito a opinião de cada um, mas sem fanatismo e preconceitos que são os males que atingem a humanidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.