Menu fechado

Fim do “escândalo da cueca”

Marcado como um dos escândalos da época do mensalão, o episódio dos dólares encontrados na cueca de um assessor do deputado José Guimarães (PT-CE) chegou a um fim nesta semana, dezesseis anos depois.

Conforme Veja, a Justiça reconheceu a prescrição do caso tanto para o parlamentar quanto para o assessor, José Adalberto Vieira da Silva, determinando a extinção de possibilidade de qualquer punição criminal devido devido à falta de provas.

Em 2005, o assessor de José Guimarães foi preso no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, com 200 mil reais numa mala de mão e 100 mil dólares escondidos em um saco de plástico dentro da cueca.


7 Comentários

  1. Reinaldo Martins

    Como assim?
    Então por conveniência e prevaricação o processo não deu em nada. Brasil de leis para a ralé e nada para os tubarões.

  2. Anônimo

    Estamos vivendo em um País onde o ladrão é o bandido leva vantagem em tudo País onde uma geração prefere ser bandido porque temos uma justiça injusta

  3. LUIZA DE GONZAGA ARAÚJO

    Não é nenhuma novidade estamos em um País onde o crime compensa onde temos um justiça totalmente injusta o bandido leva vantagem em tudo

  4. Luma Rosa

    16 anos um processo parado. À qual órgão devemos reclamar? Merece uma representação na OAB contra o juiz do caso. Quem deve reclamar é o ministério público. Para isso acontecer o povo deve se manifestar. Temos a internet para isso. Uma andorinha só não faz verão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.