Menu fechado

Governo do Ceará rescinde contrato de compra da Sputnik e busca responsabilizar Anvisa

O governador Camilo Santana anunciou que rescindiu o contrato para a compra de 5,5 milhões de doses da vacina Sputnik V de fabricação russa. A decisão segundo ele, ocorreu “devido a novas limitações impostas pela Anvisa, do Governo Federal, que desde o começo desse processo tem colocado sucessivas barreiras para a efetivação da importação e uso da vacina”.

Mas, o que faltou ser dito foi que o contrato de quase R$ 338 milhões foi assinado em busca de vacina problemática do ponto de vista sanitário, já que a Agência de Vigilância brasileira encontrou desconformidades e manteve sua posição técnica, não cedendo a pressões políticas. Outro ponto, que mostra que teríamos sérios problemas é a dificuldade dos paises da América Latina para receber remessas contratadas.

A Sputnik V foi a primeira vacina contra a Covid-19 a chegar à Argentina, em dezembro de 2020, e em seguida a uma dezena de outros países da América Latina. Mas oito meses depois, a escassez das segundas doses pressiona os governos latino-americanos.

Na Bolívia, os adultos mais velhos que vão aos centros de vacinação encontram cartazes que indicam que a segunda dose da Sputnik “será adiada até novo aviso”.

A Guatemala ameaçou romper o contrato de 8 milhões de doses.

Na Rússia, a população desconfia das vacinas desenvolvidas no país, como a Sputnik V, e a campanha de vacinação vem se transformando em um fracasso.

O Consórcio Nordeste que reúne governadores nordestinos que Camilo é signatário, cancelou a compra de 37 milhões de doses da vacina Sputnik V, produzida pelo Instituto Gamaleya, da Rússia.

A desculpa segue o roteiro, “limitações” impostas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e a falta da inclusão do imunizante no Plano Nacional de Imunização (PNI) como motivadores da suspensão.

Com informações G1, CNN.

CÁ PRA NÓS : Compra de imunizante problemático gerou consequências. Até agora o governo cearense e dos outros estados nordestino não aplicaram uma única dose de vacina contra o covid-19 com recursos próprios. A tática de imputar seus erros a outro continua. Na realidade um fracasso retumbante.

3 Comentários

  1. Anônimo

    Em resumo, Bolsonaro tinha razão, tem que avaliar melhor as vacinas antes de comprar, tá aí o resultado, os governadores querendo ser herois na pandemia, olha o resultado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.