Menu fechado

Empresa suspeita de repasses ilegais para Renan tem dados coletados a partir de 2015, por pedido dele na CPI

A CPI da Covid investiga uma empresa suspeita de ter realizado repasses ilegais ao relator da própria comissão, senador Renan Calheiros (MDB-AL), além de outros líderes do MDB. Um inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) apura o caso, que envolve o empresário Francisco Maximiano e a empresa Global, que teria realizado transferências de R$ 9 milhões para Milton Lyra, apontado como operador financeiro do parlamentar. As informações são da Folha de S.Paulo.

Conforme Gazeta do Povo, a partir de pedidos feitos pelo próprio Renan Calheiros, foram levantadas informações detalhadas da empresa como dados fiscais, bancários e telefônicos, com a justificativa de se investigar supostas ilegalidades durante a pandemia, porém, há solicitações de movimentações anteriores a esse período, a partir de 2015.

Com isso, o parlamentar teria acesso a dados e documentos que, em tese, já foram ou podem ser coletados em eventuais ações de busca e apreensão e usados no inquérito do STF. Membros da CPI silenciam sobre o possível conflito de interesses nessas relações.

CÁ PRA NÓS: O verdadeiro espetáculo de horror é essa CPI da Covid.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.