Menu fechado

Ceará Sangrento: Policiais, motoristas de aplicativo e empresário são vítimas da criminalidade

Casos de violência nos últimos dias atingiram policiais militares, motoristas de aplicativo e empresário. Fortaleza e Eusébio assistiram cenas de puro terror.

O tenente da Polícia Militar, Leonardo Lírio, lotado no 18° BPM, estava conversando com amigos na rua Dracon Barreto no bairro Padre Andrade, no inicio da noite da última quarta-feira, 13, quando segundo fontes da Polícia, dois marginais em duas motos, um deles com mochila bag de entregadores, iniciaram a ação criminosa já disparando arma de fogo contra o oficial, que fora atingido na cabeça, para em seguida subtrair sua arma. Dois elementos foram presos.

O policial militar Francisco Tarcísio foi assassinado a tiros, em Fortaleza, no bairro Jangurussu, na noite de quinta-feira, 14 . Francisco Tarcísio Rocha da Silva teria sido baleado quando estava dentro de casa, na companhia da família. Na tarde desta sexta-feira (15), a Polícia informou que o sobrinho do policial, também alvejado, morreu.

Jorge Alyson, de 23 anos, que trabalhava como motorista de aplicativo, foi encontrado morto na madrugada do domingo, 17, no bairro Benfica, em Fortaleza. Ele foi baleado dentro do carro e morreu no local. Até o momento, a Polícia Civil realiza buscas pelos suspeitos. Ninguém foi preso.

No sábado, 16, outro motorista de aplicativo foi vítima da criminalidade., câmeras de segurança flagraram o momento que um motorista de aplicativo foi atacado no Bom Jardim, em Fortaleza. O crime aconteceu na rua Marua Júlia com Martins de Carvalho.

A vítima foi atacada por criminosos que se passaram por passageiros e baleada dentro do próprio carro. Os homens tomaram uma motocicleta de assalto e fugiram.

Já no Eusébio,  o empresário paranaense do ramo de tecnologias Diogo Bittar de Almeida, de 36 anos, morreu após reagir a um assalto e ser baleado no último domingo, 17. Dois suspeitos foram presos pelo crime, e uma arma de fogo apreendida.

Redação smp.news

CÁ PRA NÓS: Vivemos dias que ninguém está seguro. A criminalidade tomou contas dos bairros e a polícia não consegue mais manter o cinturão de contenção. Homicídios se acumulam e a polícia investigativa continua a conta-gotas sendo abastecida em concursos. O entre e sai de bandidos em audiências de custódia se tornou mais uma porta da impunidade. Cerca de 51.500 homicídios foram registrados nos governos Cid e Camilo.

1 Comentário

  1. maria de fatima ribeiro

    terrivel não tem mais controle pode ser que esse camilo aliado com os ferreiras gomes não tenha mais volta pro poder no nosso caerá foi um dos pioreas cide e camilo ainda ta querendo voltar nem que seja pra verdador.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.