Menu fechado

Sindipostos: Governo do Ceará ainda não reduziu ICMS nos combustíveis, apesar do anúncio

Em entrevista exclusiva ao programa SEM MEIAS PALAVRAS na Rádio Cidade 860 AM, comandado pelo comunicador César Wagner, o presidente do Sindicato dos Postos de Combustíveis (SINDIPOSTOS CE), Flávio Novais Neto, revelou que a redução anunciada do ICMS sobre os combustíveis ainda não foi efetivada pelo governo cearense.

A alíquota do imposto deve cair de 29% para 18% na gasolina e de 25% no álcool para também 18%. O diesel, por já ter a alíquota do imposto em 17%, não deve sofrer redução.

O presidente ainda esclareceu que existe uma proposta na Assembléia para incidir a tributação de 2% em cima dos preços dos combustíveis para ser utilizado no Fundo de Combate à Pobreza ( FECOP) criado no governo Lúcio Alcântara. Novais afirmou que é um equívoco essa proposta, pois o Fundo só pode incidir em produtos supérfluos e não em essenciais como combustíveis, energia e gás de cozinha.

CÁ PRA NÓS: Enquanto já sentimos a diminuição dos preços dos combustíveis pelo governo federal ter zerado impostos de sua competência, o governo do Ceará continua tirando do bolso do cidadão tudo que pode, na contramão de 22 estados que já reduziram. A governadora Izolda Cela realizou o comunicado oficial, não sem antes protelar, descumprir lei federal e ingressar no STF para derrubar, acreditem, redução de impostos em um momento difícil para todos. Bolsonaro vem fazendo seu papel mostrando desempenho na diminuição de impostos em vários setores, como além de combustíveis, alimentação. Outro ponto importante é a queda do desemprego, menor índice desde 2015, mesmo em época de pandemia, onde os governadores diziam “fiquem em casa, a economia a gente resolve depois” – a conta chegou!

smp.news “SOMENTE A VERDADE INTERESSA” – Compartilhe, fortaleça a mídia independente

1 Comentário

  1. Neide

    Nessa briga no poder, quem mais sofre é o povo. Se pelo menos servir pra despertar pra não continuar errando nas urnas, já vai ter um ponto positivo. Vamos acordar e prestar mais atenção em quem elegemos. Querendo ou não, a responsabilidade é nossa e as consequências também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.